domingo, 10 de junho de 2012

Vou Esperar



Clique aqui, para ouvir a música que Marcel Barretto fez desse poema.

(talvez)
Um dia tu dirás que me ama
Vou esperar... Mesmo que este dia esteja longe
Vou esperar tu encostares em meu peito e teres vontade de dormir
Da mesma forma como eu me aconchego nos teus abraços...
Sentindo-te como ninho, cama.
Enlaçando-te fortemente com braços nus e sentindo-te contra mim
Quente e macio.
Vou esperar!

Vou esperar quietinho um dia tu me admirares
Como eu admiro teus gestos calmos
Esperar tu encontrares nos meus lábios a suavidade que encontro nos teus
Ao mesmo tempo em que nossos cílios se tocam
Piscam e nossos olhos se enxergam tão de perto... Pretos.
Vou esperar cada abraço teu...
Cada boa noite antes de dormir
Como se essa fosse minha prece,
Meu caminho para o céu, minha salvação!
Esperar pacientemente o meu corpo se encontrar ao teu
Um dia, quem sabe?
Belamente... Completamente...
Ser apenas um.
Esperar o amor surgir nos teus olhos grandes e negros
Esperar que me olhes cada vez como uma primeira vez...
Apaixonando-te de novo... De novo... De novo...

No futuro, vou esperar tuas rugas refletirem as minhas.
Tuas esperanças se tornarem minhas expectativas
E meus sonhos virarem teu maior empenho
Espero tua face corar a cada felicidade nossa
E tua mão tentar conter as lágrimas nas inevitáveis tristezas
Espero caminhar
Caminhar de mãos dadas... Unidas... Úmidas... Suadas...
Quero te ver temendo o futuro
Entender por que não róis as unhas,
Vou esperar...
Esperar ao teu lado...
Esperar pelo grande dia que tu dirás “eu te amo”
E eu direi o mesmo.
Então o mundo poderá acabar
O rio salgar e morrer todos os peixes
O sol apagar
A noite ser eterna, e a existência humana se findar
Porque nós dois teremos um universo à parte
Girando... Girando...
Um cata-vento...
Uma eternidade...
Um homem para amar intensamente
Um amor verdadeiro...
Inteiro.

Saulo Sisnando
* escrito em dezembro de 2001.