terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Uma história sem meio


inspirado pela foto de Diane Arbus.

COMEÇO: Sempre quis ter gêmeos. Quando, de sua derradeira barrigada, nasceu uma filha solitária e desgarrada, não se deu por vencida: arrancou o braço da menina e criou-o como se fosse gente. E, como pares, cresceram: uma mais que outra. Vestiam-se como cópias, estudavam no mesmo colégio e, na adolescência, juntas, descobriram o sexo, posto que a mais alta não conseguia se masturbar sem a pequenina. Construíram um relacionamento incestuoso que durou a juventude e, ressurgia vezenquando, nas noites de solidão com os maridos viajando.

FIM: Morreram no mesmo dia, em cidades diferentes. Nesta coincidência macabra, que sempre abraça os que são binários. Uma estava velha e enrugada. A outra, podre. Foram postas no mesmo caixão. Lado a lado. Acomodadas num enlace sexual perfeito. E, finalmente, a velha sem braço pode, na longa jornada rumo ao pó, ter o contrapeso do membro que, embora tivesse sido arrancado no nascimento, lhe havia fisgado ausente a vida toda.
Saulo Sisnando - 27.11.2010

Um comentário:

  1. Saulo,

    adorei esse. Assustadoramente nonsense!

    beijo, excelente 2011,

    Arthur

    ResponderExcluir